sábado, 27 de setembro de 2008

Voltar


Minhas palavras deitadas sobre o papel
escritas com a tinta da minha alma
são gritos silenciosos

enviados pelo o ar
rompendo as nuvens
chegam a ti
em raio de sol

e morrem ali aos teus pés.

14 comentários:

Mário Margaride disse...

Querida amiga,

Um belo e sentido poema.
Depois de alguma turbulência na minha vida, aqui estou de novo renascido das cinzas. Espero que este luar da noite, ilumine a tua escuridão.

Um ezxcelente fim de semana!

Beijinhos doces

Mário

Duarte disse...

Danças? Ao ouvir esta música não posso articular outra palavra.

Bonito poema, cheio de fortes sentimentos que, sem dúvida, fará feliz a quem vai dirigido.

Um grande abraço

Multiolhares disse...

Palavras tão delicadas não podem morrer
Á beira do mar
beijinhos

Mar Arável disse...

Estamos aqui no tempo das vindimas

Aos meus pé só morrem as uvas

bjs

poesianopopular disse...

Como diz o Mar Arável, a meus pés só morrrem as uvas, que são a (tese) que hão-de fermentar (anti-tese)para dar lugar à (sitese)aquele saboroso néctar, que vai escorrer pelas gargantas e alegrar os corações, e....já não falta muito para o Festival do pão do Queijo e do vinho aquí em Palmela (Cabanas)
Lena bjos amiga

Lena disse...

mario,

Obrigada pelo teu comentario...

Desejo te tudo de bom,
admiro tua força e coragem, é isso que te faz seguir em frente e assim realizar teus sonhos.

um beijo

Lena disse...

duarte,

Danço pois..adoro dançar...

são palavras sentidas...

um beijo

Lena disse...

multiolhares,

luna,
palavras escritas nunca morrem...

um beijo

Lena disse...

mar aravel,

e venha o bom vinho
em primeiro vem o que se chama a agua pé, se não me engano...
por ca so devem começar daqui a uns 15 dias.

bjos

Lena disse...

poesianopopular,

josé,
também gosto desse néctar, mas so o verde branco...o então um branco d'Alsace.

Bom festival ai em Palmela !

um beijo

gaivota disse...

esse espraiar nessa luz noturna nem de poema precisa!
lindoooooooooooooooooo
beijinhos

poetaeusou . . . disse...

*
que quereres terão
os teus calados silencios
escritos,
com tinta da tua alma . . .
,
brisinhas nocturnas
,
*

Lena disse...

gaivota,

é verdade,
o mar so a ele é um poema

Beijinhos

Lena disse...

poetaeusou,

nos meus calados silencios
continuarei a escrever
aqueles gritos
são como mensagems deitadas ao mar
pode ser que um dia chegue ao destinatario...

um beijo Poeta