domingo, 26 de outubro de 2008

Prisão de solidão


Meus sentimentos estão coados
presos por dentro
numa prisão de solidão
o amor fugiu
desapareceu do meu alento.

Pelos caminhos sombrios
inundados com a neblina
carregada com meu fardo
cheio de amarguras
procuro no horizonte
a luz do amor.

13 comentários:

poesianopopular disse...

Lena

atira tuas mágoas ao vento
Segue a estrada da esperança
Acredita no teu talento
E terás de volta a recompensa
Verás de novo aparecer
A luz a alegria e a cõr
Que precisas para viver
E quem sabe...Um novo amor.
Bjos amiga

Anónimo disse...

Se o amor existe, ele voltará e quando menos esperares, acredita pois é assim... E a luz do amor voltará a brilhar.
gosto muito do teu poema
Beijinhos
Dia

Multiolhares disse...

Quando descobrimos o amor dentro de nós, sem sofrimentos sem apegos, um novo amor batera á porta da alma
beijinhos

Utopia das Palavras disse...

A luz existe
no horizonte...
no cume...
no monte...
na pedra
no pássaro
dentro dos teus olhos
presos...
porque não querem ver!

Um beijo grande
Ausenda

O Profeta disse...

Dizes tanto...em tão poucas palavras...


Doc b eijo

Duarte disse...

Aceita como comentário este escrito do meu livro SUSSURROS...


SOLIDÃO

A solidão acompanha-me e a tristeza não me deixa. Vivo só, por vezes imaginando-me num mundo donde sou o único habitante. Tenho desejos tão grandes, mas sinto á minha volta fortes correntes que me prendem e limitam todas as iniciativas que tento empreender.
O meu pensamento só está em ti: recordo-te, imagino-te. A saudade, a ausência e o desespero fazem ninho em mim. Apoio-me na esperança e vejo o tempo passar, mas alcanço o desespero. À minha frente o céu está limitado, cinzento e feio. A música é o único lenitivo que apazigua este meu deambular. Deixo-me levar pelo romantismo mas até ele me está a trair. Sinto-me triste e infeliz: sofro. Quem ama sem sofrer?
Vida sem amor não é vida. Sei que te amo e até sei que me amas, mas sempre existe algo, ou alguém, que acaba por estragar tudo e não permitir que esse grande amor desborde na sua grandiosidade. Esse dueto coração mente quase nunca falha, a mente dita e o coração fala, e, então, ouve-se música celestial que nem Mozart, nem Chopin, nem Bettoven foram capazes de compor.
Olho na distância como quem procura alguém que só na proximidade se percebe. O teu sorriso, a tua expressão, o teu proceder, fascinam-me, atraem-me com tanta força, que não posso reprimir o impulso que embala o meu ser. Sei que vou para ti, mas se é só contigo que quero estar! que mais posso desejar? Não posso suportar tão cruel separação.
Uma simples despedida de até logo me trás saudade. Que palavra tão imensa e que difícil de expressar com outras palavras, e mais ainda noutros idiomas: talvez por isso muitas vezes não me entendes. O que compreendo eu! por isso tento que cada dia saibas e domines mais a minha língua. Assim é, e para que o vejas mais fácil, imagina que se separa de ti esse ser a quem mais queres, quando o teu desejo é que não o faça, o que começas a sentir nesse momento é a saudade: a ausência da presença. Ama-me muito, meu amor, e , se algum dia me vês partir sentirás a saudade e chorarás por mim, sem nenhuma duvida.
Anda amor, cresce, floresce e firma-te em mim, ama-me, nunca te arrependerás.
Amar-te-ei sempre.
Ainda que seja desde a solidão.

2007

Mário Margaride disse...

Querida amiga,

Não desistas de lutar pelo amor
Que estará numa esquina à tua espera
Caminha sempre em frente, e verás
Outros ventos, outros mares...outra era.

Uma excelente semana, Helena.

Beijinhos doces

Mário

poetaeusou . . . disse...

*
o amor
acontece, amiga,
,
no toque de uma olhar,
num sorriso aberto
de desdém, muitas das vezes,
o horizonte não existe,
o horizonte Está sempre
alem do horizonte,
,
belo poema o teu,
maresias límpidas te envio,
,
*

o que me vier à real gana disse...

Alma de poeta! Força enorme..., porém força tormentosa.

Mais um belo blog

Rotiv disse...

Olá :)
O Blogue dos Manteigas passou por aqui, via Rosmaninho da Serra :)
Um abraço,
http://bloteigas.blogspot.com/

Albatroz disse...

Um Pouco melancólico mas, mesmo assim, é um bonito poema.

Mar Arável disse...

É PRECISO

VASCULHAR

NO CICLO DAS MARÉS

Lena disse...

Obrigada a todos pela vossa amizade e vosso carinho.

Desejo-vos um bom fim de semana..

Beijinhos