quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Baladas de Orvalho (Passos de Anisa - 30)



talvez me demore
as aves adormeceram as noites passam arrastando sonhos e ilusões
dobro-me agora à tua ausência e confesso-me ainda mais vazio
nada tenho para dar-te senão manadas de silêncio frio que as montanhas produzem quando acordo
aqui sorvo apenas demoras e acasos no desfiar de paixões inacabadas até que as aves regressem do seu sono

Alvaro de Oliveira

12 comentários:

Utopia das Palavras disse...

Lena

talvez demore
a respirar
o teu sonho...
talvez demore
a acordar
da tua paixão...

Foto, música e poema numa perfeita Simbiose.

beijos
Ausenda

Anónimo disse...

Talvez demore...mas vou encontrar...
Beijinhos
Dia

ZezinhoMota disse...

Bonito, muito bonito.

Gostei de ler e de o sentir...

BjnhS

zEZINHOmOTA

Multiolhares disse...

por vezes é preciso voar, ou adormecer, ou continuar a sonhar
beijinhos

Lena disse...

utopia das palavras,

Talvez demore...
mas tenho tempo...
e paciencia também..

Beijinhos

Lena disse...

Dia,

quando as aves regressarem do seu sono...

Beijinhos

Lena disse...

zezinhomota,

Também gosto de ler o Alvaro de Oliveira;
um autor de uma grande sensibilidade, e tem uma maneira de escrever parecido a um voo de aves..

beijinhos

Lena disse...

multiolhares,

As vezes não ha mais nada a fazer que esperar, esperar...

Beijinhos Luna

poetaeusou . . . disse...

*
a espera
das manhãs,
,
conchinhas
,
*

gaivota disse...

talvez, lena, por mim acho que vou mesmo demorar...
num voo para longe, um dia destes,
ver alguns dos meus amores e demoro
enquanto as aves dormem...
beijinhos

Lena disse...

poetaeusou,

esperamos....

um beijo

Lena disse...

gaivota,

vai la gaivota,
fazes bém ir ver teus amores
também ia ver os meus o até Paris o Portugal...num voo..

beijinhos