segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Amor


Amor, Saudade, Ternura
é coisa que fere e dói
E se, no peito perdura
Nosso coração corrói

Amor é fogo que queima
E grita na alma da gente
Ferida que dentro teima
A sangrar constantemente

é fogo que atormenta
é brasa que se consome
é chama que alimenta
Pois quem ama nem tem fome

Errei um dia ao pensar
Só amar a vez primeira
Porque o meu maior amor
Ficou para a vida inteira

Francelina, 2005 (Na Nazaré, quem não rema já remou)

12 comentários:

Duarte disse...

Excelente trilogia, fotografia, música e poema.
Boa eleição.
Um grande abraço

gaivota disse...

és uma bandida...
é o que tu és!
pois quem na rema já remou!
a francelina teve um problema complicado com as varizes na perna direita, rebentou...
coitada, fez uma hemorragia enorme,
agora náo sei como vai, há um mês que não a vejo
beijinhos

Utopia das Palavras disse...

Amor primeiro quem dera
Voltá-lo a ter outra vez
Foi amor... foi quimera
Foi para sempre talvez!

beijo
ausenda

Lena disse...

duarte,

foi no teu blogue que me relembrei de Roberto Carlos...

um beijo

Lena disse...

gaivota,

As melhoras para a Francelina...
diz lhe que gosto muito deste livro dela...

Beijinhos para ti e para ela

Lena disse...

utopia das palavras,

Para mim um amor
é sempre como o primeiro
e um verdadeiro amor
fica sempre para sempre.

Beijinhos Ausenda

Mar Arável disse...

A vida

também pode acontecer

no ciclo das marés

Lena disse...

mar aravel,

também pode

Bjos

Fernando Rodrigues disse...

Excelente a fotografia e o poema, parabéns!
Bjus

Fernando

Lena disse...

fernando rodrigues,

Obrigada pela visita e comentario...

um beijo

poetaeusou . . . disse...

*
amor
saudade
ternura,
é a vida que perdura,
,
conchinhas, deixo,
,
*

Lena disse...

poetaeusou,

agarrei as tuas conchinhas, força do mar...
A falar em conchinhas, sabes como elas são fabricadas ? sera a base de areia ?

Um beijo