terça-feira, 2 de setembro de 2008

"Como tu não há igual"




Nazaré és terra bela
Como tu não há igual
Nazaré tu és estrela
A brilhar em Portugal

Cintila o teu mar azul
Ao brilho da força do sol
Tens iodo, do norte ao sul
E beleza da foz ao farol

Não quero chorar, nem choro
Minhas mágoas no teu mar
Longe de ti, é que eu choro
Por não te poder olhar

saudades do teu sol quente
saudades do teu Guilhim
Saudades do sol poente
Se tu estás longe de mim

Tu nem sabes a saudade
Que rói cá dentro da gente
Saudade da maresia
Do seu cheiro e, do sol quente

Saudades do Promontório
Dumas vistas sem ter fim
Sonho contigo acordada
quando estás longe de mim

Francelina, 2005 (Na Nazaré, quem não rema ja remou)

4 comentários:

Anónimo disse...

Gosto muito da Nazaré e depois deste poema fiquei com vontade de lá voltar.
Obrigado Lena por um poea tão lindo
Bjs
Dia

Lena disse...

Dia,
A Nazaré é um sitio maravilhoso.
Este agosto havia la muitos turistas e todos encantados, quando os ouvia na descida no feniculario...
Se la voltares, não vas em agosto.

Beijinhos

gaivota disse...

oi lena... e não nos encontrámos...
a francelina é uma amiga do coração, qualquer dos seus 4 livros tem peomas e histórias com cheiro de mar, deste nosso mar...
linda a minha praia!
beijinhos

Lena disse...

gaivota,
vamos ter mais oportunidades de nos encontrar ai...
A Francelina neste livro escreveu muito bém sobre nossa Nazaré, seu povo e sua historia...

Beijinhos