quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Uma rosa para você !


Naquele sábado 10 de outubro,
o bolo de aniversário já estava previsto para festejar os 93 anos do meu sogro.
Só que nem tudo acontece como queremos.
A vida é feita de imprevistos.
Fazia três semanas que meus sogros estavam naquele lar.
O pessoal fez tudo para eles se sentirem felizes
e esquecer o que tinham deixado para trás.
Uma semana antes,
levaram minha sogra na cadeira de rodas a cabelereira e arranjou também as unhas; estava toda vaidosa.
O marido, sentado não longe dela olhava para a mulher de quem sempre gostou.
Já não era nova e a doença apanhou-a desta vez.
Depois deste ultimo AVC ficou acamada.
Naquele sábado 10 de outubro,
na capela da aldeia estavamos todos reunidos a volta dela.
A vida a deixou.
Ela estava ali feliz.
Há maneira dela,
tinha tudo preparado para que sua partida fosse um presente.
Em primeiro de tudo não queria deixar seu marido em casa sozinho
e conseguiu que ele fosse para um lar.
Deixou três desejos, do qual um deles é para que seus dois filhos sejam sempre amigos. Não morreu no lar ao lado do marido,
mas no hospital, sem sofrer.
E foi enterrada no dia dos anos dele.

18 comentários:

ZezinhoMota disse...

Lena!

Uma história de vida, que acaba sempre com a morte...

Que descanse em paz!

Soubeste nos contar de uma maneira concreta e em poucas palavras...

Para ti o melhor que a vida tenha.

Bjnhs do ZezinhoMota

(Agradeço-te tua visita e essencialmente as palavras deixadas.)

Vitor Lopes disse...

A morte faz parte da vida, estranho dito assim, mas é verdade.
Bjs

gaivota disse...

é o correr da vida, a comunhão de sentimentos e alertas
que Deus lhe dê toda a paz neste descanso final e que o teu sogro tenha força para seguir a caminhada...
beijinhos

Mário Margaride disse...

Querida amiga

A vida tem um ciclo incontrolável, nasce-se, vive-se e morre-se. É doloroso quando perdemos um ente querido. Mas a vida é assim mesmo.

Beijinho e um bom fim de semana.

Mário

alvaro de oliveira disse...

essa rosa é a palavra
sitiada no orvalho da noite

agora fria. E foi-se

perpendicular ao silêncio
que rasgaste com os olhos

só uma ave (o tempo que passa)
traz no voo o sorriso
que guardaste numa manhã de outono

Anónimo disse...

Olá Helena!
Que a tua sogra descanse em paz.
Um abraço apertadinho
Dia

Duarte disse...

Memorável... inesquecível... estará desfeito! Um dia para suprimir do calendário, dirá ele...

Lamento que tenhas que passar por uma situação assim mas a vida, por vezes, é assim de cruel.

Desejo-te o melhor.

Um grande abraço

Lena disse...

ZezinhoMota,

Podia ter contado este momento de muita maneira...podia ter sido : um telefonema as três da manha; duas horas depois no caminho de Portugal...1 500 km que nunca foram feitos tão depressa, etc...
O também falar como é perder alguém de quem gostamos...esta parte acho que ainda não a realizei; sera para a proxima quando voltar a Portugal e ver meu sogro sozinho.
Acho que contei como ela gostaria.

Beijinhos

Lena disse...

Vitor Lopes,

é verdade Vitor,
mas faz doer quando ela nos toca de perto.

Bjos

Ofarol disse...

Voltei... depois das "obras do Farol"...
Mas cheguei ao teu "mar" em dia de tristeza.
Que descanse em paz a tua sogra.
Que este teu "canto", te anime... a vida continua.

Beijos

Lena disse...

Gaivota,

A vida assim é...
A vida é cruel,
leva as pessoas de quem gostamos
para sempre...
é injusto

Beijinhos

Lena disse...

Mario Margaride,

Pois é Mario...a vida faz sofrer
Tudo se vai
não conseguimos segurar nada
entre nossas mãos
tudo foge

Beijinhos

Lena disse...

Alvaro de Oliveira,

Nesse dia quente de outono
sintia o frio, estava gelada
meu corpo se arrepiava


Lindos versos
que aqui deixastes Alvaro

Beijinhos

Lena disse...

Dia,

Obrigada Dia

Um beijinho

Lena disse...

Duarte,

A morte, a dor, a doença faz parte deste meu dia-a-dia;
mas quando ela no toca pessoalmente é outra coisa. Parece que se esta em outra dimensão.

Obrigada Duarte.

Um beijo

Lena disse...

Ofarol,

Bom regresso Carlos !

Foi ai nesse meu canto onde
procurei e encontrei alguma paz e calma naqueles dias.

Beijinhos

poetaeusou . . . disse...

*
amiga,
quantas vezes a morte
é a verdadeira libertação
e quem se liberta estende
a liberdade a quem ama . . .
,
os meus pesamos,
na liberdade
da morte e da vida !!!
,
*

Lena disse...

Poetaeusou,

Obrigada Poeta;

Uma libertação para a pessoa e para a familia; aqui foi o caso.

Um beijo