quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Eu......Florbela Espanca


Eu

Eu sou a que no mundo anda perdida, 
Eu sou a que na vida não tem norte, 
Sou a irmã do Sonho, e desta sorte 
Sou a crucificada ... a dolorida ... 

Sombra de névoa ténue e esvaecida, 
E que o destino amargo, triste e forte, 
Impele brutalmente para a morte! 
Alma de luto sempre incompreendida! ... 

Sou aquela que passa e ninguém vê ... 
Sou a que chamam triste sem o ser ... 
Sou a que chora sem saber porquê ... 

Sou talvez a visão que Alguém sonhou, 
Alguém que veio ao mundo pra me ver 
E que nunca na vida me encontrou! 

Florbela Espanca, in "Livro de Mágoas" 

5 comentários:

Mário Margaride disse...

Bela escola, bela partilha aqui nos deixas.
Adoro FLORBELA ESPANCA!

Belíssimo soneto!

Feliz semana, LENA.

Beijinhos!

Duarte disse...

Florbela Espanca e a arte de construir sonetos.
Nunca li nada tão belo como o escrito por esta mulher que amou a vida como ninguém na sua época.
Uma boa e acertada homenagem.
Tu também a mereces!
Abraços de vida, minha querida amiga.

Lena disse...

Mario,

Florbela é uma poetisa que gosto muito,
deixou-nos lindos poemas...

Bom fim de semana !

Beijinhos...

Lena disse...

Duarte,

A gente publica aquilo que gosta,
escreve aquilo que sente
Não conheço bem a vida da Florbela, mas visto o que ela escreveu devia ter tido uma vida bem vivida..
Bom fim de semana Duarte!

Beijinhos....

Mário Margaride disse...

Olá Lena!

Passei por aqui, para te desejar um bom resto de semana com tudo de bom.

Beijinhos!