segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Começa a Haver


Começa a haver meia-noite, e a haver sossego,
Por toda a parte das coisas sobrepostas,

Os andares vários da acumulação da vida...

Calaram o piano no terceiro andar...
Não oiço já passos no segundo andar...
No rés-do-chão o rádio está em silêncio...

Vai tudo dormir...

Fico sozinho com o universo inteiro.
Não quero ir à janela:
Se eu olhar, que de estrelas!
Que grandes silêncios maiores há no alto!
Que céu anticitadino! —
Antes, recluso,
Num desejo de não ser recluso,
Escuto ansiosamente os ruídos da rua...
Um automóvel — demasiado rápido! —
Os duplos passos em conversa falam-me...
O som de um portão que se fecha brusco dóí-me...

Vai tudo dormir...

Só eu velo, sonolentamente escutando,
Esperando
Qualquer coisa antes que durma...
Qualquer coisa.

Alvaro de Campos

10 comentários:

álvaro de oliveira disse...

Dizes bem: «o meu eu e´ bem português.»
Gostei. Assim diz Fernando Pessoa:«A minha pátria e´ a língua portuguesa

Ola, Lena.
Um lindo poema, escrito,de Álvaro de Campos e outro poema,falado, de Pablo Neruda. Muito bom gosto!
Escreve sempre... em português.
Um beijo

ZezinhoMota disse...

Não sei se o meu comentário entrou...

Eu diria "Fiquei sózinho na madrugada e sua escuridão"...

Gostei da escolha.

Felicidades do ZezinhoMota

ZezinhoMota disse...

Convém lembrar o mu novo blogue "A Poesia do Zezinho II http://zezinhomota1.blogspot.com"

ZezinhoMota

Mar Arável disse...

Começa

a ver

Bj

Lena disse...

Álvaro de Oliveira,

E este blog me aproxima de Portugal,
é uma grande ponte entre ai e aqui...

Vou escrevendo, a inspiração a que é pouca...por isso postei um poema não meu, mas muito bonito de Álvaro de Campos.

Beijos

Lena disse...

ZezinhoMota,

Obrigada pelo teu comentario,
gosto deste autor...

Beijinhos

Lena disse...

ZezinhoMota,

http://zezinhomota1.blogspot.com"
Um bom blog com belas poesias...
Parabéns...

Lena disse...

Mar Aravel,

Bom jogo de lêtras..

Beijos

poetaeusou . . . disse...

*
começa a haver,
e quando há,
é positivo !
,
amiga
positivas marés,
,
*

Duarte disse...

Aquilo que se diz com sentido cala fundo, vai lá dentro, até à alma, corrói... certos sentimentos, não vem entendidos, levam a alucinações, mas, se começa a haver, isso é bom....

Não conhecia este poema: gostei.

Um grande abraço de boa amizade