sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Não me peças

Não me peças poesia,
Não peças...
Não !
Não peças !

Não peças,
O que não quero dar !
Não me peças,
O que não sei dar !...
Agora !

A poesia que pedes
Fala de amor e dor
Fala de paixão e traição
A poesia que pedes
é a fala do coração !...
Agora, não !

Agora não quero,
Não quero deixar falar o coração !
Não quero e pronto !...
Não quero falar em vão !

Talvez um dia,
Talvez...
Talvez na hora que vem !

Agora, não minha amiga ! Não !

Eu não quero ainda que soubesse.
Eu não consigo ainda que quizesse.
Compor poemas de amor...
Redigir lindas melopeias...
Enxergar o mundo cor-de-rosa.

Não, minha amiga. Não !

Eu não consigo e não quero.
Combinar as rimas
Ajustar os versos
Ritmar a poesia
Contar as silabas
Para sair o poema que tu queres !

Depois, depois !...
Quando o meu mar se acalmar
o sol despontar
o mundo mudar.

Depois sim, amiga.
Depois, talvez consiga !
Vou conseguir...
Na hora que ha-de-vir !

Fernando Marques


Esta poesia é do meu amigo Fernando do blogue "in coerências", que...quando quer, sabe escrever destas coisas.

terça-feira, 25 de novembro de 2008

O inverno instalou se



Hoje, dia de folga...
poder ficar ao quentinho entre meus lençois.
Eram umas 10 horas quando abri as tampas;
e maravilha, estava tudo branquinho e a neve estava a cair.
Um dia bom daqueles de inverno, muito apreciado, assim,
como hoje,
por traz da minha janela.
A tarde fui dar uma volta a um centro comércial,
estava tudo iluminado, cores de Natal. Brinquedos, livros, chocolates e muitas outras coisas corriam em montes por todos os lados.
Enquanto a crise continua seu caminho, fazendo cada vez mais vitimas;
Ségolène Royal e Martine Aubry lutam com todas as armas possiveis para a presidência do partido socialista.
Desta vez este partido vai acabar por explodir.
Sempre gostei deste periodo de Natal,
ver a alegria nos olhos dos meus filhos depois do Pai Natal ter passado;
hoje, eles são crescidos mas ficou sempre aquela luzinha neste dia.
Do outro lado, é um periodo triste também,
para as pessoas isoladas, longe das familias, para os mais demunidos e sem-abrigos.
Meu melhor Natal até hoje foi em 2005,
ficara inesquecivel.
A magia do Natal (Natal 2005)
Este Natal foi muito especial.
Como todos, antes do Natal andamos a procura do presente que ira fazer prazer as pessoas que amamos..
Falei com meus dois filhos Tony de 27 anos e Christian de 22, separemente e lhe disse o que mais desejava que eles me dessem neste Natal..acharam a ideia boa mas dificil a realizar…
Na vespera do Natal, andava a preparar o jantar do réveillon e andava muito anciosa, não sabendo como eles iriam conseguir esse desejo meu..
A noite, chamei-os para comer, sentaram se todos a mesa. Estava acabando de preparar as entradas, quando ouvi Christian perguntar o irmão como estava correndo o trabalho dele, e o irmão lhe responder e a conversa continuando…
Sinti me a mãe a mais feliz do mundo, meu desejo estava exauçado..eles não se falavam quaze ha dois anos e os ver de novo assim…uma familia reunida na vespera do Natal…nenhum presente seja de ouro o diamante podia me deixar assim feliz…

sábado, 22 de novembro de 2008

Sonhos


Uma parte de mim se despegou
Tudo a minha volta desvaneceu
Tal um tsunami
cai num abismo profundo
as lagrimas perlaram
me perguntastes que era isso
Eram meus olhos a chorar
A chorar por te sintir
Cada vez mais longe
sintir um vazio
e a ausência do teu toque
O romper do dia
Vi que tinha sido
So um mau sonho
Que sempre estas e sempre estaras

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Sou passageira do tempo



Neste mundo vagabundo
sou passageira do tempo
espectadora da vida
coisas pequenas mas intensas me tocam
esta semana, no meu serviço, um filho esta acompanhando a mãe nos seus ultimos dias;
o vi lhe falando, lhe dando a mão.
Meu pensamento foi para meu pai…quém lhe dera a mão ?

Sou passageira do tempo que passa
e vejo este mundo não andar a volta como devia
gerido por fantochas com suas fantochadas
enganando o povo
matando os fracos
apertando a vida de cada um
a vida que, em tempo normal é dificil

Sou passageira do tempo a vir
esperando, sonhando com dias melhores
sonhando, esperando que o povo adormecido,
anestesiado acorda
Depois de este tantos anos duros, tristes
não aceitem algum doce
que esses senhores estão para lhes ofrecer
em troca de mais cinco anos
a fantochar e a rirem se de nos.

domingo, 16 de novembro de 2008

A festa foi boa




Ontem a noite, a festa foi valente.
Foram os 50 anos da minha amiga Teresa.
Seus filhos e marido organizaram quase tudo em segredo.
Veio familia dela de Portugal e de Paris.
Eramos 76 para nos aquecer, naquela noite fresquinha.
Começaram a chegar a partir das 18 horas...foi a hora marcada.
A mesa estava cheia de rissois, pasteis, morcella, tremoços, puvides, chouriça, figos passados (adoro), e muita coisa mais;
de refrigerantes também : agua, sumos, ricard, martini, whisky, vinho do porto, e outros...
Eram 19 horas ouvimos um grande barulho...
saiamos a porta...
estava ali o grupo "os zés pereiras de Lempdes" na terrassa a tocar para ela...
foi a grande surpresa da noite.
Eram uns 20 o 30 a tocar; deu para bater o pé; esses ja se estavam a gelar.
A seguir fomos para o restaurante e depois mais musica.
Foi até as 5 da manha...
Não vi o tempo passar.

sábado, 15 de novembro de 2008

Porque hoje é sabado...Fantasias


Ao som da musica,

Ao abrir a porta de casa,

quase a fechavas de repente

pensando que era engano.

Sintistes um perfume ambiente a jasmim.

A peça estava na penumbra,

velas acesas

poisadas pelos varios sitios ardiam calmamente.

Uma musica que reconhecestes logo

se harmonizava com aquela atmosfera.

Uma atmosfera sensual como tu adoras.

Fechastes os olhos,

pensando que estavas a sonhar,

era bém real.

Cheguei,

atirei-te para o sofá

e teu olhar seguiu minha silhueta.

Meu corpo começou a movimentar se

ao ritmo da musica;

as sombras no tecto e nas paredes o acompanhavam

comecei um streap-tease,

peça após peça.

Começando pela a saia preta, comprida,

continuando pela blusa;

deixando aparecer a roupinha interior preta de seda e de rendas.

Dansava a tua volta,

teus olhos brilhavam de desejo.

A roupa continuou a cair ao chão até descobrir a nudez daquele corpo,

os biquinhos dos seios iriçados.

Enquanto a musica tocou não podias tocar;

Depois sim……………….

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Um feliz aniversario ao meu filho....30 anos hoje

AMOR DE MAE - CRISTINA BAUDOIM

Destino

Afinal , o que é o destino ? Quando uma pessoa morre novo de acidente o de doença, ouve se dizer " era o destino dela ", o a vida dela estava assim destinada.. O destino é a sorte e o azar que temos nas nossas vidas...são escolhas que tudo o longa dela fazemos. As vezes nos enganamos de caminho..e temos de recomeçar. As vezes são outros que decidem por nos, tou pensando numa ruptura, um divorcio ...era nosso destino?

Recebemos aquilo que merecemos ..deve ser isso. As vezes o destino nos da a chance de encontrar pessoas, no momento menos esperado, nesse momento não vemos o porquê desse encontro, e mais tarde, acontecimentos aparecem e pensamos que aquela pessoa chegou mesmo a ponto. O destino nosso, ja esta escrito em algum lado o somos nos que o fazemos no nosso dia a dia ? Ha quem nasce num pais, onde o destino sera de morrer a fome o numa guerra...o destino de cada um começa logo a nascença...

Também se ouve falar na "linha de vida", ela esta representada na palma da mão por uma linha...essa linha é longa o curta, depende do tamanho da nossa vida, e por vezes nessa linha vê se pequenas linhas sair dela, são desvios que fazemos o acontecimentos importantes...ler meu destino numa mão, não acredito, era quaze como se tivesse a dizer que nosso destino esta escrito nas nossas mãos....

Porquê tanta pessoa vai ver "pessoas", ai chamam se "bruxas", aqui "des voyantes", voyantes vêm de ver, para saber o que vai acontecer no futuro, para não se enganar na escolha do caminho a seguir...não sei se é uma pessoa de fora que nos pode ajudar a saber qual caminho tomar... Acho que, nosso destino, somos nos que o fazemos no nosso dia a dia, fazendo sempre pelo melhor, escutando nosso coração e nem sempre a razão...mas muitas vezes a razão domina ...estamos num mundo, onde ha sempre escolhas a fazer...

O destino esta entre nossas mãos.

domingo, 9 de novembro de 2008

Foi sabado


hoje a dançarina estava coxa.
Ja faz 15 dias apareceu uma dor de baixo do pé,
parece uma dor sciatica,
que esta subindo pela perna.
Todos os dias meti pomada e liguei-o bém apertadinho,
para poder andar.
Hoje foi sabado, e se andei a trabalhar,
também tenho ir dançar.
Acertava dificilmente os passos,
virevoltar quase nem pensar;
andava pesada com essa dor.
Ao fim de uma hora, pedi para ir beber
afim de descançar meu pézinho.
De habito bebo um "perrier-menthe",
hoje quiz uma amêndoa amarga,
como não havia foi um porto branquinho com um gelo,
para anestesiar a dor.
O alcool subiu logo a cabeça.
Não experimentei a levantar me da cadeira;
ficamos ali a conversar, depois viemos para casa....
que amanha ainda é dia de trabalho;
e ainda preciso do meu pézinho para me segurar de pé...

Mais um sabado passado, o proximo sera diferente...
sera a festa dos 50 anos duma amiga.


sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Tempo...


Tudo esbarra, desliza
entre minhas mãos
o tempo voa, passa
segue seu caminho
levando e modificando
a face da terra
sem parar nunca.

Não consigo segurar nada
nem a ti, nem o tempo.

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Bebo tuas lagrimas


Homen que caminhas sozinho

enjaulado na tua vida

Triste, com vontade de chorar

bebo tuas lagrimas

para toda tua pena voar

a brisa, o sopro do vento

murmura me o ouvido

tua dor, teu desgosto de viver

Homen que estas no meu coração

guarda a esperança

que este Destino

que te meteu no meu caminho

nossos sonhos concretizera.


segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Amor


Amor, Saudade, Ternura
é coisa que fere e dói
E se, no peito perdura
Nosso coração corrói

Amor é fogo que queima
E grita na alma da gente
Ferida que dentro teima
A sangrar constantemente

é fogo que atormenta
é brasa que se consome
é chama que alimenta
Pois quem ama nem tem fome

Errei um dia ao pensar
Só amar a vez primeira
Porque o meu maior amor
Ficou para a vida inteira

Francelina, 2005 (Na Nazaré, quem não rema já remou)